A suposta venda da MTV


O boato da suposta venda da MTV é ventilado a alguns meses, mas essa semana parece que ganhou força. Tudo isso porque além das notícias já veículadas da sua suposta venda, o fim do Comédia MTV e as supostas saídas de Dani Calabresa e Marcelo Adnet para a Band e Globo respectivamente - dois "carros chefes" da emissora, pois é, humor em vez da música - ganharam força. O canal que participou ativamente da formação musical da minha geração, tem reuniões marcadas para os três primeiros meses do ano de 2013 para decidir seu futuro. De devolver os direitos para a Viacom (detentora da marca MTV), até ceder a sua concessão para uma igreja evangélica.

Bom, para mim se acabar, a MTV não fará falta. Claro que o canal é direcionado ao público jovem, e logo, precisa se reciclar em períodos de anos, por os jovens de hoje não serem mais os jovens do futuro simplesmente. Mas creio que pelo reflexo da internet de democratizar o poder ter a música e entretenimento que você quer a qualquer hora, junto com qualidade da música nos tempos atuais (comparem os lixos dos anos 90 aos lixos de agora e a gente conversa), refletem diretamente na queda vertiginosa da qualidade canal; o fazendo esquecer cada vez mais do seu M de música e em detrimento priorizar o TV.

Do que sinto falta é do que era e continuava bom, mas de repente mudou e ficou ruim. A saudosa 89 FM é um bom exemplo. Expoente do rock, e rádio que ajudou muito a cena num todo, por dificuldades financeiras e queda vertiginosa de audiência, deixou seu público fiel e em 2006 firmou uma parceria com a Nestlé que mudou o nome da rádio e seu direcionamento musical. Só recentemente "a rádio rock", como ficou conhecida, voltou por via streaming na internet. Mas o ponto em que quero chegar é que isso foi como algo "interrompido", interromperam algo que era bom no seu tempo; já a MTV como canal não, é algo moribundo que tenta se reviver a todo custo mas não consegue. Portanto entendo que se for assim, é melhor acabar. Já não vejo o canal, então se venderem pro Edir Macedo, aí é que não vou ver mesmo; continuará tudo na mesma.

A minha constatação final da morte da MTV, foi de ter assistido ao canal VH1 poucas vezes, e nessas poucas vezes procurando e encontrando o que achei legal de assistir. Há espaço para o entretenimento banal (reality shows), para o stand-up, para a nostalgia dos clipes mais antigos, para os clipes novos, e até para o programa direcionado ao público headbanger, o ótimo "That's Metal Show". A MTV de certa forma dá o que o público quer, mas de o ter visto por tantos anos já noto sinais de desgaste. A MTV não sabe pra onde ir.

Hoje vive-se num tempo em que assistir 5 clipes legais na MTV é raridade, e de nem VJs de fato existirem mais, e sim de humoristas e modelos-apresentadoras. Realmente a MTV anda tocando mais música que antigamente, diria que bem mais, mas alguém nota sua presença? Diria que raramente.

Lamento profundamente o fim do canal, mas ele não fará mais falta apesar de toda nostalgia e carinho que tenho ao me lembrar dele. A MTv moldou meu gosto e conhecimento muscial e sou grato ternamente por isso, seja por conhecer um thrash metal do Metallica, ou um alternativo bizarro como o Karnak (quem lembra?), e de ter saudades do Rockgol e dos reais VJs como Gastão, Astrid, Sabrina, Edgard, Marina Person e tantos outros que realmente entendiam de música. Mas chegou a hora de pular fora. Acho que João Gordo e Marcos Mion (o maior farsante de todos os tempos ao lado de Sérgio Mallandro) estavam certos em ir para a Record, o último que sair apague a luz.

Entre tantas coisas que eu penso, na verdade, não tem nada melhor na vida do que meus heróis, um bom rock n' roll, cerveja, fritas, e um bom papo com uma boa companhia.

Voltando
Next Post »
Comentários
0 Comentários
0 Comentários